[Crítica] Vingadores Guerra Infinita

Como os heróis da Marvel pretendem salvar o mundo da maior ameaça já vista, até então?

[Vale ressaltar, como o nome sugere, trata-se de uma crítica, o conteúdo a seguir reflete a opinião de seu autor. Sinta-se livre para concordar, ou discordar, total ou parcialmente, o importante é que sua opinião seja expressada com respeito e educação.]

Dez anos de Universo Cinematográfico da Marvel, e um cara roxo gigante com um sorriso Kolgate aparecendo nos pós-créditos vinha levantando perguntas para aqueles menos chegados nas histórias desses heróis. Até que, desde 2016, Thanos começa a ganhar forma e fama, até que, finalmente, em 2018 conhecemos o Titã.

Thanos já havia sido pré-apresentado anteriormente. Tanto em Vingadores (1), quando em Guardiões da Galáxia, ficamos sabendo um puco sobre o Titã, e também sobre as Pedras do Infinito, e o ele entre ambos. Depois de muita preparação, chegou a hora de conhecer mais sobre seu potencial destrutivo.

Guerra Infinita nem de longe parece um filme infinito. Embora conte com cerca de 2h 30min de duração, o filme não é cansativo, e infelizmente a guerra não dura para sempre, mas, poderia durar pelo menos 30 minutinhos a mais que dificilmente alguém acharia ruim.

O filme conta com muitas personagens, núcleos divididos que conduzem muito bem a história, sem excessos, nem sobras, e mesmo que você não tenha assistido aos filmes anteriores, mesmo que no início você se perca um pouco na introdução dos membros da equipe, ao desenrolar da história, estará familiarizado, vibrando e se divertindo.

O filme conta com efeitos visuais que enchem os olhos. O 3D não cansa, tem boa profundidade, e há até alguns momentos onde as coisas saltam da tela de forma satisfatória. Os efeitos sonoros estão na média, e a trilha sonora… O que dizer dessa trilha? Do início ao fim ela acerta o tom. Sabe aquela sensação de fan service? Então, mesmo em momentos em que não seja isso que esteja acontecendo, apenas a introdução da trilha sonora já causa aquele arrepio e aquela sensação inexplicável que só quem é fã e recebe um bom service sabe do que se trata.

Talvez você já tenha recebido algum spoiler sobre alguém que possa vir a morrer no filme, mas não se preocupe com isso. Saber quem morre neste filme é apenas uma parte da emoção. Alegria, tristeza, raiva, compaixão, todos estes sentimentos são explorados durante o filme, e você vai se emocionar, talvez não a ponto de encharcar o travesseiro na hora de dormir, mas vai carregar o peso do “e se aquele momento tivesse sido diferente?”.

O filme é muito bom, não te deixará entediado, garantirá boas risadas, conta com cenas de ação empolgantes, efeitos de encher os olhos, e, com certeza, você não vai se arrepender. Guerra Infinita vai te deixar ansioso para assistir os próximos filmes da Marvel, e enquanto isso, você vai querer reassistir Guerra Infinita várias vezes, na busca por pistas sobre o que está por vir, ou o que pode acontecer, ou só pra matar a saudade da ação e de seus heróis favoritos.

Mesmo com a direção de arte sendo bem mediana, Guerra Infinita é o filme para assistir e rever, sozinho ou com amigos, e garantir sua dose de nerdisse de bom gosto.

Ricardo Januário

Um pouquinho geek, levemente nerd, e quando se trata de Pokémon ou Final Fantasy até me considero gamer. Sou um jornalista formado como destaque da turma, amo escrever e compartilhar meu conhecimento e informação com o maior número de pessoas, defendendo a liberdade à informação e cultura.

%d blogueiros gostam disto: